NAVEGANDO PUBLICAÇÕES 

Uma Editora vinculada ao Grupo de Estudos e Pesquisas "História, Sociedade e Educação no Brasil" - Histedbr - voltada à publicação de e-books para distribuição gratuita e livros impressos sobre temas científicos.

  • Facebook Social Icon
  • Twitter Social Icon
  • Google+ Social Icon
  • YouTube Social  Icon
  • Pinterest Social Icon
  • Instagram Social Icon

Coleções

Personagens e eventos: ensaios populares em filosofia política e social

           Os textos aqui apresentados correspondem à introdução e aos capítulos referentes à Alemanha e ao Japão publicados originalmente em língua inglesa no livro II, volume I, intitulado “Characters And Events: Popular Essays In Social And Political Philosophy“ em New York, no ano de 1929, por John Dewey. Os dois capítulos foram publicados em primeira mão como artigos científicos nas revistas The Atlantic Monthly, The Dial e The New Republic nos Estados Unidos entre os anos de 1916 a 1922.

         Suas análises relatam um dos períodos mais conturbados da história do capitalismo. O período histórico em questão demonstra que a incapacidade desse modo produtivo em estabelecer o equilíbrio entre a produção e o consumo de mercadorias resulta na construção de crises cíclicas econômicas e políticas com fortes impactos sociais. O advento do imperialismo, resultado da falência das propostas econômicas liberais no século XIX, implicou em severas mudanças sociais por todo o planeta. Por um lado, a expansão das propostas socialistas manifestas na contradição radical como forma de libertação das condições opressivas impostas pelo capitalismo. Por outro, apesar da falência do liberalismo econômico, os seus pressupostos filosóficos permaneceram intactos e ganharam eco em diferentes países.

         A reação burguesa ao longo período feudal elegeu o liberalismo como alternativa concreta para a construção de um novo modelo social centrado nas liberdades individuais e na noção do progresso científico como singular ao avanço de toda sociedade. Essas afirmações introdutórias são fundamentais para contextualizar o pensamento de John Dewey. Herdeiro do Iluminismo e do pensamento liberal dos séculos XVIII e XIX desenvolveu enfática defesa do liberalismo como alternativa para a construção de sociedades democráticas que rompessem com os preceitos feudais existentes na Europa.

         As viagens de John Dewey[1] têm essa prerrogativa. A peculiaridade de suas impressões é um elemento para analisar a difusão do liberalismo em âmbito internacional. A escolha desses países não se deu ao acaso. O crescimento do imperialismo e de suas posições estratégicas como alvo de disputas políticas acabou por elegê-los como objeto de investigação e reflexão. O entusiasmo pelo liberalismo como força ativa de negação de sociedades medievais motivou suas análises. Dewey realiza um esforço para elencar as forças políticas em disputa, dando ênfase aos avanços e retrocessos no embate dos liberais com as forças medievais nas nações visitadas.

As análises sobre a Alemanha e o Japão atentam a essas prerrogativas. Esses países vivenciaram um processo de unificação e industrialização tardia que de certa forma limitaram sua participação na partilha do mundo. Enquanto as nações centrais europeias e os Estados Unidos tiveram um processo de industrialização plena, a Alemanha e o Japão, dado à peculiaridade de suas histórias, entraram em uma zona de conflito constante voltada à conquista de espaços de influência geopolíticos em um mundo que já era dividido.

Esse cenário de disputas acirrou conflitos internos. As limitações de cunho econômico fomentaram suas percepções sobre o que seus países eram e o que deveriam ser. Esses elementos justificam o conjunto de impressões desenvolvidas sobre a sociedade alemã e japonesa no início do século XX. Dewey busca na história da cultura e nas relações políticas de poder explicações para entender as ações, influências e os conflitos por ele vivenciados em suas visitas.

          A busca da compreensão dos impactos do pensamento liberal possibilitou Dewey desenvolver a tese à qual o Japão no período da Revolução Meiji no século XIX sofreu grande influência do pensamento alemão em termos políticos expressos na configuração da Constituição e da concepção de Estado. A monarquia japonesa fundamentou-se nos princípios políticos e de Estado alemães para realizar um profundo processo de transição interna influenciada pelas transformações em curso no capitalismo do século XIX e início do seguinte...

 

Carlos Lucena 

Lurdes Lucena

 

 

 

[1] John Dewey no livro II, Volume I, denominado “Characters And Events: Popular Essays In Social And Political Philosophy“ relata suas impressões por meio de viagens na China, Alemanha, Japão, Sibéria, Turquia, México e Rússia.